Avante

  /  Direito das Crianças e dos Adolescentes   /  Abordagem Pikler: Descubra a potência dos bebês

Abordagem Pikler: Descubra a potência dos bebês

Quem afirma por aí que os bebês só sabem mamar e dormir provavelmente nunca ouviu falar sobre a Abordagem Pikler. E, provavelmente, também não se deu conta da importância dessa fase da primeira infância: a chamada primeiríssima infância – o primeiro ano de vida. O estabelecimento de vínculos afetivos, o movimento livre da criança e o desenvolvimento de sua autonomia passam pelo respeito à potência das crianças, como indivíduos capazes desde seus primeiros meses de vida. “O bebê não vai ser aquela criança ótima. No momento em que ele nasce, ele já é aquela criança”, disse Lúcia Peçanha, consultora pedagógica e uma das fundadora da Rede Pikler Brasil em sua participação na Websérie Conexões: A “não ação” é ação? – a atividade do bebê e o papel do adulto, que aconteceu na sexta-feira, 16 de outubro – a convite da Avante – Educação e Mobilização Social.

Por meio de várias situações que cercam o dia a dia de meninos e meninas, Lúcia explicou como a relação de confiança pode ser estabelecida entre a criança e sua mãe ou seu cuidador e como estes, a partir de ações atentas e cuidadosas, conseguem transmitir confiança e segurança para aqueles. “Como eu crio uma criança? Eu cuido dela e não saboto o seu conhecimento. Se nós preparamos uma criança e o ambiente, ela vai ter consciência do bem-estar dela. Ela vai se sentir cuidada”, disse Peçanha.

A mediação do evento coube a Maria Thereza Marcílio, presidente da Avante, que fez questão de destacar ser avó de oito netos e sua paixão pelos bebês: “Eles são um sinal de esperança, alegria e entusiasmo e nós precisamos saber como educar e cuidar desses bebês”, disse Maria Thereza, a quem coube apresentar também as demais convidadas do webinar: Consuelo Almeida, gestora do CMEI Pio Bittencourt da rede pública municipal de ensino de Salvador, e Ana Cláudia Guedes, pedagoga, psicopedagoga e especialista em Educação Infantil.

Ambas trouxeram para o debate um pouco da experiência a introdução da Abordagem Pikler na Rede Municipal de Educação de Salvador (BA) há cinco anos, a partir do programa Nossa Rede Educação Infantil, que teve a Avante como parceira técnica da Secretaria Municipal de Educação no desenvolvimento de materiais e formação de educadores. “A gente observou que houve uma melhoria significativa no atendimento a essas crianças”, disse Consuelo Almeida. Ela explicou que no CMEI Pinto Bittencourt, o planejamento das atividades pedagógicas é feito a partir da Abordagem, integrando escola, alunos e famílias ao longo do ano letivo. “Temos um material muito rico, construído de forma colaborativa e participativa com todos esses sujeitos”, disse.

“Para mim, o cuidado amoroso na creche é o pilar. É o que te faz perceber aquela criança que chega até você”, declarou a professora Ana Cláudia Guedes. Ela contou em seu relato como a Abordagem Pikler transformou o seu olhar em relação a cada uma das crianças e como sua atenção passou a ser mais individualizada, por entender que cada uma traz a sua cultura e a sua história. ” Às vezes a criança vai te olhar e você já vai perceber o que ela quer”, lembrou Ana Cláudia.

Abordagem Pikler – Idealizado pela médica pediatra húngara Emmi Pikler após a II Guerra Mundial – momento em que os primeiros orfanatos foram criados na Europa, a Abordagem Pikler começou a ser mais adotada no mundo a partir da década de 1990. Por meio do que chamam de “cuidados corporais de qualidade”, a Abordagem contempla a forma de cuidar de bebês e crianças em situações como: a troca de fraldas, o banho, a alimentação e mesmo o brincar, da mesma forma em que também se atém ao diálogo e a interação que podem transmitir mais ou menos segurança na primeira infância – o que vai repercutir no desenvolvimento tanto físico quanto mental desses indivíduos.

Conexões – A Websérie Conexões é uma iniciativa e realização da Avante para conectar profissionais da Educação durante a pandemia do Covid-19.  Quem não conseguiu assistir ao vivo o episódio A “Não ação” é Ação? A atividade do bebê e o papel do adulto, basta acessar o vídeo já disponível no canal do YouTube da instituição através DESTE LINK.  Quem tiver interesse pode conferir os episódios anteriores na playlist de Conexões criada no canal.