logo_Prancheta 45

Seminário aborda escuta de crianças sobre materiais didáticos

“Eu queria que tivesse mais espaço para desenhar”. 

“Esse livro é grande e não cabe na mochila”. 

“Eu queria que tivesse fotos da minha escola”.

“E eu que tivesse futebol e Roblox”.

“Queria que tivesse bonecas com roupas bonitas, desenho da Barbie com cabelos grandes e brancos e roupa rosa, boneco do
Homem Aranha”.

Estes são alguns registros das falas de crianças, entre 4 e 5 anos, que participaram de rodas de escutas realizadas com o objetivo de conhecer a opinião delas sobre os materiais didáticos utilizados por e com elas na Rede Municipal de Salvador. A atividade integra um diagnóstico participativo realizado para a atualização dos materiais de referência do Programa Nossa Rede Educação Infantil, da Secretaria Municipal de Educação de Salvador (SMED), em uma parceria técnica com a Avante – Educação e Mobilização Social. 

Os resultados do diagnóstico foram apresentados para aproximadamente 700 pessoas, entre gestoras e gestores escolares, coordenadoras e coordenadores pedagógicos, professoras e professores, coordenadoras e coordenadores das Gerências Regionais e Técnicas e Técnicos da rede, durante o I Seminário: “Abordagens Participativas na Educação das Infâncias”, em 27/11.

O Secretário de Educação de Salvador, Thiago Dantas, tem se mostrado um grande entusiasta e apoiador do processo de revisão. Em entrevista para Avante ele destacou a Educação Antirracista e a Educação Inclusiva como dois temas que precisam ter grande visibilidade no material de referência da Educação Infantil. 

“O material precisa refletir não só um anseio da Rede, mas precisa ter seu conteúdo permeado de maneira plena, de maneira total, desses conteúdos, que são princípios norteadores de todo o trabalho da Rede Municipal de Educação aqui de Salvador. Em fevereiro e março deste ano, quando a gente teve oportunidade de fazer uma visita a todas as GRs ficou muito claro que tinha chegado o momento de atualizar nossos materiais de referência, tanto da Educação Infantil, como do Fundamental. Estamos executando essa atualização através da renovação de uma parceria com a Avante, e tenho recebido milhares de elogios sobre a forma como o trabalho tem sido conduzido”, afirmou. 

“As rodas foram realizadas com profissionais que atuam nas Gerências Regionais (GRs) e instituições que atendem a Educação Infantil, com famílias e com crianças. O questionário on-line foi respondido coletivamente pelos profissionais que atuam nas instituições e nas GRs”, conta Fabíola Bastos, consultora associada da Avante e coordenadora do Projeto que está promovendo uma atualização participativa dos materiais.

O processo de participação, via rodas de escuta e questionários, envolveu 222 representantes da comunidade escolar e tem apontado caminhos interessantíssimos para qualificar e ampliar os materiais, tornando-os ainda mais próximos de gestores, professores, famílias e, principalmente, crianças.

Por mais participação das crianças 

Um dos pontos altos da programação foi a palestra da Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), Bruna Ribeiro, que abordou a dimensão da participação na educação das crianças. Bruna destacou o que não pode ser confundido como escuta de crianças, provocando a plateia a pensar sobre o assunto. 

“A escuta não é uma atividade banal, pontual, é uma atitude permanente e cotidiana, com intencionalidade. Não se resume a uma abordagem metodológica. (…) É uma atividade imprescindível para o profissional da Educação Infantil. (…) A escuta tem que estar a serviços do planejamento e da qualificação do cotidiano”, explicou Bruna. 

“A palestra sobre as abordagens participativas na educação das infâncias foi um convite para que os profissionais refletirem sobre o lugar das crianças e infâncias, priorizando uma pedagogia da escuta, do diálogo, da participação, da autonomia, do cuidado e do respeito. Portanto, a atualização dos materiais Nossa Rede, tem como objetivo incluir as crianças para que participem de processos de aprendizagens mais participativas”, explicou Fabíola. 

Ladjane Alves Sousa, professora e escritora de literatura infanto-juvenil afro-brasileira, responsável por facilitar as rodas com as crianças afirmou que “a escuta das crianças é extremamente relevante porque a criança é esse sujeito que está dentro do espaço educativo e é um sujeito para quem o desenvolvimento do processo educativo acontece. Escutá-las é possibilitar que (…) ela participe da produção, da construção daquilo que é para o uso dela, para a garantia dos direitos de aprendizagem dela”. Ladjane integra a ampla equipe de especialistas que atua na revisão dos materiais do Nossa Rede.

Ladjane contou que, durante as rodas, as crianças insistiram em apontar a possibilidade de um livro maior, para caber mais atividades; ressaltaram não haver atividades sobre a família. “Elas apontaram que gostaria que tivesse bolo de chocolate com granulado, falaram da ‘tia da cozinha’”. 

Fátima Santana Santos, que também integra a equipe, tem uma importante missão nas mãos: trazer uma perspectiva antirracista para a revisão dos materiais pedagógicos: guias, diários, portfólios, agendas etc, e até mesmo o Referencial Curricular e as orientações pedagógicas para os profissionais. 

Para ela, a reflexão sobre as infâncias, que está acontecendo na Rede, a partir da compreensão de que a Bahia é, majoritariamente, formada por uma comunidade negra, é de suma importância, pois possibilita pensar como essas questões atravessam as infâncias. “Como brincam? (…) Como sentem o mundo? (…) olhar para o território infantil, que é um território negro”. Essa compreensão, segundo ela, permite uma orientação assertiva para as/os professoras/es sobre sua prática cotidiana. Fátima é mestre em Estudos de Relações Étnicos-raciais e está atuando na equipe de conteudista da Avante, que revisa todo o material de forma dialogada com gestores, professores, famílias e crianças para que atenda as reais demandas da Rede, buscando ser mais inclusivo e alinhado com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assuntos Relacionados

Pular para o conteúdo