Avante

  /  Direito das Crianças e dos Adolescentes   /  Um clic de direitos direto do Estação Subúrbio

Um clic de direitos direto do Estação Subúrbio

Um sorriso tímido, um olhar perdido no horizonte, um flagrante de uma moradora em uma das ruelas que cortam a comunidade, uma pose que nem a de uma popstar, mato, chuva, vento forte, poça d’água no chão batido de terra.  Diferentes registros de uma mesma realidade. Foi preciso aceitar o desafio e desvelar nem sempre o que está à mostra à primeira vista. E eles/elas toparam. Ao total, dez crianças e adolescentes da Ocupação Quilombo do Paraíso, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, participaram da primeira Oficina Fotográfica – Explorando a Comunidade, realizada pelo projeto Estação Subúrbio – nos trilhos dos direitos (Avante e KNH). Durante três dias do mês de agosto, eles vivenciaram a experiência de fotografar e ser fotografado.

“Essa já era uma demanda deles. Toda vez que eu estava por lá, eles queriam fotografar. E o resultado da Oficina foi incrível. A fotografia, assim como a literatura ou um instrumento musical, acaba sendo uma voz. No momento em que eles passam a fotografar, eles passam a produzir uma imagem que eles sentem. E o resultado, em si, acabou dando conta do quanto foi magnífico esse processo”, contou o fotógrafo documental Ismael Silva, facilitador da experiência.

As aulas eram bem práticas, pautadas na combinação entre o exercício fotográfico algumas noções básicas sobre composição, enquadramento e luz foram apresentadas às crianças e adolescentes – que quiseram participar a experiência. Os registros foram feitos de forma coletiva e colaborativa. E o aprendizado extrapolou o manuseio da câmera. Durante a oficina, meninos e meninas aprenderam por meio das experiências em equipe, das brincadeiras, da expressão de opiniões, enfim, participando e construindo novas referências.

Estação Subúrbio

O Projeto Estação Subúrbio atua na Ocupação desde 2017 e tem como objetivo a redução da violência comunitária, sobretudo a que atinge Crianças e Adolescentes. Com respeito ao distanciamento físico, garantindo a utilização dos EPIs recomendados, o Projeto continua oferecendo serviços e ações para o fortalecimento das famílias e atendimento das necessidades psicossociais visando, em especial, uma Cultura de Paz.