Avante

  /  AMARELO   /  Terreiros de candomblé de Salvador formam grupo produtivo de moda étnica

Terreiros de candomblé de Salvador formam grupo produtivo de moda étnica

Terreiros de candomblé de Salvador formam grupo produtivo de moda étnicaQuestões sobre economia solidária deram o tom do primeiro encontro de formação dos grupos produtivos do projeto IPA – A Força Empreendedora das Mulheres, realizado na última terça-feira (9 de agosto), no Terreiro do Cobre, no Engenho Velho da Federação (Salvador – BA). A iniciativa é voltada à geração de renda de mulheres de candomblé de dois terreiros soteropolitanos, Tanuri Junsara e Cobre, e é executada pela Avante – Educação e Mobilização Social em parceira com a Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (SETRE), por meio da Superintendência de Economia Solidária (SESOL).
Conduzido por Carol Duarte, consultora associada da Avante e coordenadora do projeto, o encontro possibilitou uma maior familiarização das mulheres com os princípios da economia solidária. “Seria o trabalho realizado em grupo, compartilhado com a comunidade”, arriscou Josemeire Andrade, presente ao encontro, tomando como referência a forma de funcionamento dos terreiros para explicar seu entendimento sobre o tema.
Carol Duarte aproveitou a deixa e destacou as semelhanças dessa lógica de funcionamento, com foco no coletivo, com a da economia solidária. “A economia solidária também é uma forma de produção coletiva, onde não existe trabalho menos ou mais importante. Todos são importantes, porque todas as pessoas têm o seu valor, todas as pessoas têm coisas importantes a oferecer e têm o seu saber. Essa é uma das coisas fundamentais na economia solidária, e isso é muito comum no terreiro e muito diferente da forma capitalista, onde um manda e todo mundo obedece”.
Capacitação
As participantes serão auxiliadas por diversos campos do conhecimento para melhor desenvolvimento do grupo produtivo. Elas contarão, por exemplo, com aulas de gestão e viabilidade socioeconômica, ministradas por Karine Oliveira, 23, que trabalha há cerca de três anos com cooperativas na Bahia. Oriunda do Terreiro do Cobre, a jovem enfatiza que projetos como o IPA são importantes diante do cenário de gestão feminina em que vivemos. “A maioria dos projetos de cooperativas na Bahia são fomentados por mulheres”, ressalta.
O grupo ainda terá a presença de uma psicóloga social – que atuará no fortalecimento das relações interpessoais do grupo -, aulas de costura de nível básico e avançado e noções mais específicas da prática interligada ao design de moda étnica, além do acompanhamento direto com design de moda afro.
Moda afro-brasileira
O projeto visa desenvolver um empreendimento coletivo em que a identidade de matriz africana das mulheres oriundas de terreiro seja fortalecida, como compreende a costureira Joilma Teixeira, 44, que decidiu participar do projeto para aperfeiçoar as noções que já tem sobre a prática da costura. “Todas essas ações ajudam a fortalecer a cultura afro e a valorizar a mulher”, destacando o viés racial e de gênero ao qual o IPA se propõe.
O projeto se propõe, ainda, a viabilizar a comercialização dos produtos por meio de consultoria para a criação de um espaço de comercialização e consequente geração de renda. A ideia é que a produção das empreendedoras seja diversificada, levando a moda afro a um público mais amplo, para além dos terreiros.