Avante

  /  Direito das Crianças e dos Adolescentes   /  Nota Pública :: Rede Não Bata, Eduque

Nota Pública :: Rede Não Bata, Eduque

A  Rede Não Bata, Eduque – cuja missão é desnaturalizar a prática dos castigos físicos e humilhantes como forma de educar e cuidar de crianças e adolescentes no meio familiar, escolar, comunitário, nos meios de comunicação tradicionais e nas mídias sociais – divulgou, no dia 13 de julho, uma Nota Pública – com participação da Avante – Educação e Mobilização Social e outras entidades que atuam em defesa dos direitos da criança e do adolescente – em sinal de indignação ao vídeo intitulado “A Vara da Disciplina”, de abril de 2016, em que o novo ministro da #Educação, o professor e pastor Milton Ribeiro, defende o uso dos castigos físicos e indica que um bom resultado “não vai ser obtido por meios justos e métodos suaves”.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
De acordo com dados apurados pela Rede, no ano de 2019, o Disque Direitos Humanos (#Disque100) recebeu mais 86 mil denúncias de violência contra crianças e adolescentes, entre as quais a violência física corresponde a 38% (33.374) das ocorrências. Setenta e sete por cento das violências são cometidas por pessoas que deveriam protegê-las, sendo 40% pela mãe, 18% pelo pai, 6% pelo padrasto, 5% pelos avós e 8% outros familiares. A casa da vítima aparece em 52% dos casos como sendo o local onde a violência ocorre. As denúncias envolvendo a primeiríssima infância (0 -3 anos) correspondem a 19% (22.747), a infância (4 – 11 anos) 45% (53.207) e a adolescência 31% (36.619). Para 5% (5.781) a faixa etária não foi informada.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Os dados são alarmantes e indicam a necessidade de uma forte atuação na linha de prevenção e sensibilização da população em geral, com a adoção de práticas educativas não violentas onde o direito à integridade física e psicológica de crianças e adolescentes seja garantido. “Atuamos na perspectiva e nos colocamos à disposição para colaborar no que for possível para que o processo educativo de crianças e adolescentes, em todos os ambientes de convivência e proteção, possa ser estabelecido com diálogo, respeito, afeto e participação”, diz trecho do documento.

Para ler a Nota na íntegra,  clique aqui.