Avante

  /  Home Page   /  É lançado projeto que oferece espaço a crianças e adolescentes para ajudar a transformar a cidade

É lançado projeto que oferece espaço a crianças e adolescentes para ajudar a transformar a cidade

É lançado projeto que oferece espaço a crianças e adolescentes

Equipe do projeto Vozes da Cidade


Um encontro realizado na última segunda feira (12 de janeiro) na Escola Bahiana de Medicina reuniu adolescentes e parceiros que integram o projeto Vozes da Cidade: Crianças e adolescentes participando da construção de Salvador, que irá impulsionar a Plataforma dos Centros Urbanos (PCU) no município. Representantes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), protagonista da iniciativa da PCU em todo o Brasil, da Prefeitura, parceira da iniciativa e da Avante – Educação e Mobilização Social, executora do Vozes da Cidade, fizeram parte de uma discussão teórico-metodológica que estreitou laços e, acima de tudo, embasou os primeiros passos do projeto na capital baiana.
O Vozes da Cidade, que conta ainda com a parceria do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), tem o objetivo de dar voz às crianças e aos adolescentes para que eles participem ativamente da construção de uma Salvador com menos desigualdade e capaz de lhes oferecer maiores e melhores serviços públicos de qualidade e controle nas políticas públicas destinadas a esse segmento da sociedade. O resultado dessa participação será apresentada à gestão municipal, ao CMDCA, aos adolescentes e comunidades em geral, com vistas a construção de planos de diretrizes para as diferentes subprefeituras.
Encontro
O encontro foi aberto pela coordenadora do escritório do UNICEF Bahia/Sergipe, Helena Oliveira, e pelo consultor da Avante e coordenadora do projeto, José Humberto Silva. Ambos deram as boas vindas aos presentes e Helena Oliveira, demonstrando estar feliz pelo início do projeto em Salvador, ressaltou a importância da parceria com a Avante. Ela relatou que a capital baiana é uma das duas cidades que contam com o apoio de uma ONG. “Precisávamos da expertise da Avante pelo seu conhecimento da cidade e pela experiência que tem em projetos desse porte”, destacou.
José Humberto, por sua vez, explicou os detalhes do projeto, ressaltando um diferencial da versão soteropolitana da PCU. “Além de escutarmos adolescentes sobre suas demandas e necessidades, vamos trabalhar também com a escuta de crianças. Nós consideramos isso de extrema importância e é uma ação única em todo país”, salientou.
Teoria e prática
Depois da apresentação do projeto, a doutora em Sociologia, Mary Castro, fomentou uma discussão conceitual sobre os coletivos de adolescentes e jovens. O tema é de extrema importância para o alinhamento da equipe do projeto no que se refere ao mapeamento dos grupos a serem escutados, e que é foco de seus trabalhos.
À tarde, a reunião recomeçou com os relatos dos adolescentes selecionados pelo projeto sobre sua participação no Encontro Nacional de Adolescente da Plataforma dos Centros Urbanos, promovido pelo UNICEF.  O encontro aconteceu em dezembro (2014) na capital do Distrito Federal. Os jovens participaram de diversas atividades de integração, apresentação cultural sobre cada cidade, dinâmicas, debates e oficinas.
Em seguida, a coordenadora do escritório do UNICEF Bahia/Sergipe apresentou o projeto para os representantes da Prefeitura. Genilson Geno, da diretoria geral das Prefeituras-Bairro, reafirmou o interesse da gestão municipal em apoiar o projeto e cumprir com o termo de responsabilidade assinado junto ao UNICEF, no qual se compromete a diminuir as desigualdades sociais para as crianças e adolescentes de Salvador.
Depois das trocas de informações e exposições teóricas sobre temas relevantes, os participantes passaram para um momento de prática. A equipe do Vozes da Cidade, incluindo os adolescentes, foi distribuída em dois grupos com a finalidade de construir coletivamente as metodologias a serem aplicada nas primeiras etapas do projetob.
Questões como: quais os coletivos a serem mapeados e por quê? Como mapeá-los e usando quais instrumentos? E quais estratégicas? Foram respondidas depois de um rico debate, que incluiu os representantes da Prefeitura que, atraídos pela relevância do projeto, contribuíram para a acuidade das respostas.
Ao final, uma salva de palmas reafirmou coletivamente o que todos sentiram individualmente. Foi um belo encontro e um harmonioso e produtivo momento de troca que marcou o início do Vozes da Cidade.
Plataforma de Centros Urbanos (PCU)
Em sua segunda edição, a Plataforma dos Centros Urbanos (PCU) é uma contribuição do UNICEF na busca de um modelo de desenvolvimento inclusivo das grandes cidades que reduza as desigualdades que afetam a vida de suas crianças e seus adolescentes, garantindo, a cada um deles, maior e melhor acesso à educação de qualidade, saúde, proteção e oportunidades de participação.
A primeira edição, realizada de 2008 a 2012, abrangeu os municípios do Rio de Janeiro, São Paulo e Itaquaquecetuba, alcançando importantes conquistas. Levando em consideração os avanços e as lições aprendidas, nessa segunda edição a PCU iniciou, entre 2103 e 2016, um processo de expansão para outros centros urbanos brasileiros: Belém, Fortaleza, Maceió, Manaus, Rio de Janeiro, São Luís e São Paulo. Salvador foi a última capital à ser integrada à PCU.
A iniciativa consiste no estabelecimento de uma parceria entre o UNICEF, a Prefeitura e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de cada uma das cidades em torno do compromisso com a melhora da vida das crianças e dos adolescentes.