Avante

  /  CINZA   /  FDCA entrega carta contra retrocessos nos direitos das crianças ao MPF

FDCA entrega carta contra retrocessos nos direitos das crianças ao MPF

FDCA entrega carta contra retrocessos nos direitos das crianças ao MPFO Fórum Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (FNDCA) entregou ao Ministério Público Federal (MPF) uma carta sobre os retrocessos nos direitos das crianças e adolescentes durante reunião entre a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, e representantes de redes nacionais de defesa de direitos humanos de crianças e adolescentes, em Brasília.
O encontro, realizado na terça-feira (21 de junho), na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), buscou articular estratégias para incidência no Legislativo e no Judiciário, tendo em conta a prioridade absoluta preconizada no Artigo 227 da Constituição Federal, e nas diretrizes da Convenção dos Direitos da Criança e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
O grupo ressaltou os impactos da Portaria nº 611/2016, do Ministério da Justiça e Cidadania, que estabeleceu a suspensão, por noventa dias, de diversas despesas no âmbito da pasta e que pode inviabilizar a representação da sociedade civil nos órgãos colegiados – cujo objetivo central é o de realizar o acompanhamento e o controle social das políticas e programas no campo dos direitos humanos.
Organizações em consonância com a Procuradoria
A proposta é articular um comitê de organizações e movimentos da área da infância com o objetivo de atuar em consonância com a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, especialmente no que se refere à identificação de eventual desmonte de direitos sociais e de proposições legislativas que afetem as garantias constitucionais dessa população.
Na ocasião, também foi colocada em pauta a mobilização para uma ação conjunta voltada à prevenção de violação dos direitos humanos de meninos e meninas durante a realização das Olimpíadas no Brasil, cujas atividades acontecem entre 5 a 21 de agosto. O assunto será debatido em reunião a ser realizada no próximo dia 7 de julho, no Rio de Janeiro.
 
CARTA ABERTA À SOCIEDADE BRASILEIRA: Em defesa da democracia e dos Direitos Humanos das Crianças e dos Adolescentes
Brasília (DF), 08 de junho de 2016
As organizações da sociedade civil, aqui representadas pelo Fórum Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – FNDCA, movimentos, fóruns, e redes de defesa de direitos humanos de crianças e adolescentes, diante do cenário político nacional que atravessam, dirigem-se ao povo brasileiro para reafirmar seu compromisso com os valores do Estado Democrático de Direitos e dos Direitos Humanos.
Considerando a história de luta pelos direitos humanos de crianças e adolescentes, consagrada pela promulgação do Art. 227 da Constituição Federal que garante a Prioridade Absoluta e pelo do Estatuto da Criança e do Adolescente Lei 8069/90.
Considerando o momento político, onde se configuram grandes retrocessos, que não se iniciaram nesse ano, tais como a junção e/ou extinção de ministérios como o Ministério dos Direitos Humanos, que têm impactado e fragilizado de forma estruturante na execução das ações de promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes.
Considerando a atual conjuntura política, onde se explicita a pauta conservadora, com perdas de direitos conquistados, uma vez que tais pautas já haviam sido incorporadas no âmbito das políticas públicas, fruto de mobilização e avanços nas garantias legais.
Considerando que a sociedade civil não pactuará com nenhuma redução ou renuncia a direitos que possam incidir na Agenda Cidadã, especialmente de crianças e adolescentes, nos reunimos no dia 08 de junho de 2016, convocados pelo FNDCA e ampliada  para as demais redes, frentes, fóruns e movimentos de defesa dos direitos das criança e do adolescente, deliberamos pela publicação desta Carta Aberta à Sociedade Brasileira, por meio da qual se reafirma o compromisso com a democracia, os direitos humanos e as políticas públicas destinadas a toda a população de 0 a 18 anos com sua excepcionalidade de 21 anos, sem distinção de sua condição socioeconômica, raça, etnia, identidade de gênero, religião, orientação sexual, território em que vive, ou quaisquer outras especificidades que a caracterize.
Com o intuito de garantir a plena implementação da Política de Estado, exigimos providências para:

  1. A retomada do Ministério dos Direitos Humanos com a criação da Secretaria Especial dos Direitos da Criança e Adolescentes, de forma que possa dar continuidade ao desenvolvimento das políticas públicas voltadas à promoção, proteção e defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes, prevalecendo o princípio da prioridade absoluta e sem prejuízo das ações que já vem sendo desenvolvidas desde a promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente, em consonância com a natureza transversal, interministerial e em permanente articulação com as demais políticas.
  2. Garantir avanços nas Políticas Públicas, com implementação do Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE (Lei 12594/12), Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual, Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador e da Política Nacional da Primeira Infância (Lei 13.257/16).
  3. Garantir o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescentes e outras legislações vigentes bem como acordos e normativas internacionais das quais o Brasil é signatário relacionadas a criança e adolescente.
  4. Garantir a destinação prioritária de recursos humanos e financeiros para a execução da Política, bem como em áreas essenciais na defesa dos direitos como o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte – PPCAAM, Disque 100, Escola de Conselhos e Sistema de Informação Para Infância e Adolescência – SIPIA.
  5. Garantir estrutura adequada (recursos humanos e financeiros) para manutenção e fortalecimento do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, com finalidade de cumprir seu papel de órgão que elabora, delibera e fiscaliza a política. Principalmente no que se refere a manutenção da secretária executiva do Conselho, bem como a garantia de seu pleno funcionamento.
  6. Fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos e ampliar os espaços e mecanismos de participação social na construção e implementação das propostas, políticas e resoluções, fortalecendo o diálogo constante com o FNDCA e demais frentes, redes, fóruns e movimentos.
  7. Garantir e ampliar a participação de crianças e adolescentes nos espaços da elaboração, discussão, definição e monitoramento de políticas públicas relacionada a criança e adolescente, conforme deliberações da X Conferência Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente, em abril de 2016.
  8. Assegurar o pagamento dos convênios e programas, em execução, firmados com as organizações, bem como a execução do Plano de Aplicação do CONANDA, aprovado recentemente em Plenária.
  9. Assegurar a implementação das medidas socioeducativas conforme preconiza o SINASE, reafirmando o posicionamento contrário à proposta de Redução da Maioridade Penal e de ampliação do tempo de internação como medidas de enfrentamento da violência.
  10. Assegurar o direito dos estudantes à livre manifestação nas lutas por seus direitos, tais como as reivindicações por passe livre, educação de qualidade por meio de ocupações de escolas públicas e outras estratégias, garantindo-lhes a escuta adequada e negociações isentas de qualquer forma de violência.

Desta maneira, nos colocamos contrários a qualquer forma de retrocesso na Política Pública e no Sistema de Garantia dos Direitos de Crianças e Adolescentes, o que acarretaria descumprimento de acordos internacionais dos quais o Brasil é signatário (Convenção de Direitos da Criança/ONU e demais tratados), uma vez que a Constituição Federal em seu Artigo 4° declara que suas relações internacionais são regidas pelo princípio da prevalência dos Direitos Humanos.
Conclamamos aos Conselhos de Direitos, Estaduais, Municipais, Tutelares, Fóruns, Redes, Frentes, Organizações não Governamentais, Sociedade Civil e aos atores do Sistema de Garantia dos Direitos à aderirem, replicarem e se mobilizarem.
 
Fonte: Rede Nacional Primeira Infância (RNPI)