Avante

  /  Home Page   /  Experiência de Reggio Emíllia chega ao Nordeste

Experiência de Reggio Emíllia chega ao Nordeste

Experiência de Reggio Emíllia chega ao Nordeste
Após as falas das educadoras de Reggio Emilia, Paula Strozzi e Vanna Levrini, durante a tarde de quarta feira (13 de agosto), no V Encontro de Formação e II Formação Itinerante do Paralapracá, representantes dos municípios do ciclo II do projeto detalharam o impacto da viagem à cidade de Reggio Emíllia, na Itália. A oportunidade de ver e sentir que é possível priorizar a criança e o quanto isto pode influenciar positivamente toda a comunidade reverberou entre os gestores das redes municipais parceiras do projeto Paralapracá e começou a ter impactos na vida das crianças.
O comprometimento com o projeto foi visível em todos os municípios. Um olhar diferenciado para a criança, o maior cuidado com o ambiente, a inserção das artes na prática pedagógica, a aquisição de materiais específicos – que tomam como referência os do projeto Paralapracá, o compartilhamento da experiência de Reggio com outros atores da rede, são alguns dos impactos comuns.
Mas as redes municipais parceiras do projeto Paralapracá também trazem algumas especificidades em relação a estes impactos. Em Olinda (PE), por exemplo, marcou o movimento para levar a nova concepção de criança para as ruas. Assim, a equipe do projeto no município, juntamente com as crianças, começou a participar ou articular sua participação em eventos na cidade como o Olinda em Ação, o Fliporto Olinda e a Mostra Internacional de Música de Olinda (MIMO). E negociam com o poder público local a ampliação do espaço para as crianças no internacionalmente conhecido carnaval da cidade, além do resgate de eventos que já não se realizam como o Olinda Arte em toda Parte, que não acontece há dois anos, agora com a proposta de participação das crianças.
Em Natal (RN) as matrículas na Educação Infantil foram ampliadas e há um movimento para viabilizar espaços específicos para este segmento, ao invés de manter as crianças nas mesmas instalações dedicadas ao ensino fundamental. O município passou a priorizar a utilização de materiais mais adequados (não industrializados) e a prevê, ainda para este ano, a expansão da proposta de trabalho do Paralapracá para a totalidade dos Centros Municipais de Educação Infantil – CMEIs (73 no total), com os educadores da rede, que já foram formados pelo projeto, atuando como formadores dos CMEIs inseridos.
Em Maracanaú (CE) um dos grandes impactos foi a implementação de uma gerência específica para a Educação Infantil, antes compartilhada com o Ensino Fundamental. Mas o município também se dedicou à elaboração do plano de expansão do projeto na rede como política de formação, está ampliando atendimento às crianças pequena por meio da construção de nove Centros de Educação Infantil e organizando salas temáticas nas instituições, considerado pela equipe do município como uma influência das atelieristas de Reggio Emíllia.
Maceió (AL) elaborou o documento orientador das práticas pedagógicas, construiu o instrumento de monitoramento, a documentação pedagógica tornou-se, oficialmente, a forma de acompanhamento do desenvolvimento da criança e da instituição, e garantiu a participação das crianças no evento Bairro Vivo que levou a nova concepção de infância para as ruas do município. Além disso, intensificou a parceria com as famílias e a comunidade nas instituições, e avança na elaboração do currículo para a Educação Infantil.
Em Camaçari (BA) a Educação Infantil foi expandida com a contratação de professores e coordenadores pedagógicos e a convocação de assistentes de creche. Há previsão de investimento na criação de Centros de Educação Infantil em áreas verdes e a ampliação de vagas.
O Paralapracá é um projeto do Instituto C&A, executado pela Avante – Educação e Mobilização Social, nos municípios: Camaçari (BA), Maceió (AL), Maracanaú (CE), Natal (RN) e Olinda (PE).  A iniciativa visa contribuir para a melhoria da qualidade do atendimento às crianças na Educação Infantil, com vistas ao seu desenvolvimento integral. O projeto se desenvolve em aliança com secretarias municipais de Educação e possui dois âmbitos de atuação: a formação continuada de profissionais de Educação Infantil e o acesso a materiais de uso pedagógico de qualidade, tanto para crianças quanto para professores.